14 August 2015

Sono, sonhos, soluços e suspiros. Será que Alice vem?

Design: Adriana Peliano


 Companhia de Eros fez esse ano um lindo trabalho através de Alice, encontrando por lá muitas surpresas curiosissíssimas. O espetáculo teatral é livremente inspirado na minha dissertação de mestrado, "Através do Surrealismo e o que Alice encontrou lá" (USP, 2012), numa costura de figuras e diálogos que propõe um jogo constante com a obra de Carroll e seus enigmas. Os vídeos conversam com o público e com os atores em cena, numa brincadeira de faz conta onde tudo é potencialmente outra coisa, como um labirinto de sonhos dentro de sonhos abrindo portas na imaginação e no pensamento.  Corpos se transformam no espaço e dançam com projeções e sombras, brincando com referências artísticas do surrealismo como as surrealices de Salvador Dali e os sonhos de Magritte, entre outras aventuras.  Ainda não assisti ao espetáculo, mas tive a oportunidade de conhecer o grupo em uma oficina de colagem que alicinamos esse ano. Assim que assistir conto como foi.

Conheça as Alices de Salvador Dalice no próximo post.

Vejam que incríveis as fotos do espetáculo!



SINOPSE:

A Companhia de Eros espera pela chegada de Alice. Enquanto a personagem mais famosa da literatura mundial não chega, eles brincam entre sono, sonhos, soluços e suspiros. Será que Alice vem?



 foto Tatiana Plens


  foto Tatiana Plens
 
  foto Tatiana Plens

  foto Tatiana Plens

  foto Tatiana Plens

  foto Tatiana Plens

 foto Tatiana Plens
  foto Tatiana Plens

  foto Tatiana Plens

 foto Tatiana Plens
  foto Tatiana Plens

 foto Tatiana Plens


ATRAVÉS DE ALICE: SONO, SONHOS, SOLUÇOS E SUSPIROS...

Livremente inspirado em Através do Surrealismo e o queAlice encontrou lá de ADRIANA PELIANO* (Dissertação de Mestrado: USP, 2012. Orientação Katia Canton).

Pesquisa e Roteiro: LISA CAMARGO 
Texto Original: ADRIANA PELIANO 
Edição e Compilação de Textos: LISA CAMARGO
Direção Compartilhada: CAROL VILLAÇA, LÉLIS ANDRADE e LISA CAMARGO
Concepção de Figurinos: DANIELA CAMPOS e LISA CAMARGO
Cenografia: DANIELA CAMPOS
Trilha Sonora: CIA DE EROS
Fotografia: LUCIANA FERREIRA
Cinegrafista: ANDERSON PEDRON 
Costureira: CHIQUITA
Produção: CAROL VILLAÇA

Elenco Vídeos (1° Geração)

ANDRÉ NOGGERINI | DANIELA CAMPOS | GABRIELE PINHO | JOAQUIM MARQUES | MATHEUS PEZZOTTA | RODOLPHO HEINZ

Elenco Cena (5° Geração)

ANA CLARA AMORIM | BIA RICCIO | DENISE C. OCTÁVIO | LéO paivA lopeZ | MAITÊ NETTO | MARINA FOGGIATTO | RAFA FERRAZ | TIFANE DEAMATES | ZÉ G. MORAES | ANA PEDROSO (convidada)


"Criada em janeiro de 2010 nas dependências da Brasital, em convivência direta com a pesquisa, processos arte/educativos e a produção de conhecimento, a Companhia de Eros desenvolve atividades que inclui entretenimento e investigação estética, propondo a prática teatral como meio de comunicação e formação de público na cidade de São Roque.

O espetáculo teatral “Através de Alice: sono, sonhos, soluços e suspiros” é uma proposta de investigação cênica para “Alice no país das maravilhas” de Lewis Carroll pela Companhia de Eros para o ano de 2015, em comemoração aos 150 anos da publicação do livro, aos 125 anos da Brasital e aos 5 anos de formação do grupo, hoje na sua 5°geração.

Este trabalho foi selecionado pelo Edital n° 1 do Fundo Municipal de Cultura da Prefeitura da Estância Turística de São Roque."

Lisa Camargo



About Me

My photo
“Always in search of curious objects, broken toys, bits of things and traces of stories, Adriana Peliano stitches together desires, monsters and fairy tales. Her collages and metamorphic assemblages are magical and multiple inventories, where logic is reinvented with new meanings and narratives, creating language games and dream labyrinths. Everything is transformed to tell new stories that dislocate our way of seeing, inviting the marvellous to visit our world.” “Sempre em busca de objetos curiosos, restos de brinquedos, cacos de mundos e rastros de estórias, Adriana Peliano costura desejos, monstros e contos de fadas. Suas colagens, metamofoses e assemblagens despertam inventários mágicos e múltiplos, onde a lógica do cotidiano é reinventada em novos sentidos e narrativas, criando jogos de linguagem e labirintos de sonhos. Tudo se transforma para contar novas estórias, abrindo portas para o maravilhoso.”