1 October 2018

Fantasticamente Alice

Segue um artigo sobre Alice na ilustração presente no livro....

Baixe o PDF do livro completo nesse LINK.

Fiquei feliz de ver a participação de  ilustrações e textos meus.

por Priscilla  Ramos Nannini





















2 July 2018

Que caminhos Alice percorre em suas aventuras?


"Após a leitura do livro “Alice no País das Maravilhas”, os alunos dos 7º anos do Colégio Objetivo – Unidade Barão Geraldo, Campinas – orientados pela professora Jacqueline Gewehr Meneghini, nas aulas de Redação, fizeram um levantamento do caminho feito pela protagonista, desde quando estava no jardim com a irmã, até seguir o Coelho Branco caindo na toca e ir parar no País das Maravilhas, vivendo todas as aventuras e voltando ao jardim. Em seguida, construíram um mapa com linguagem verbal e não verbal de acordo com a interpretação de cada um da história lida."

Alguns exemplos...










1 July 2017

Quem é você?


"Receio não poder me explicar", respondeu Alice, 
"porque não sou eu mesma, entende?"


 Adriana Peliano veja!

28 November 2016

Quem sou eu no mundo? Ah... Esse é o grande enigma!


Little House Brooch, Alice in Wonderland Brooch found here

7 October 2016

As Silhuetas de Alice por Karina Matulevicius


 Conheci essa semana a artista alicista Karina Matulevicius que também participa da exposição "Experiência Alice". Nesse ensaio fotográfico podemos entrar na floresta do sonho dela e viajar com o coelho cor de rosa e  silhuetas alicedélicas.


"AS SILHUETAS DE ALICE é um projeto idealizado pela designer Karina Matulevicius (kM.), que, desde pequena, tem o filme Alice no País das Maravilhas e os livros de Lewis Carroll como suas principais fontes de inspiração e estilo de vida.

Tentando estimular o questionamento sobre a vida, o projeto tem como principal objetivo transportar as pessoas a um mundo paralelo de fantasia, fazendo-as pensar em suas vidas cotidianas de forma crítica e até encorajadora.

Muito dos temas abordados são metáforas e citações expostas no filme, que nos fazem refletir o quanto nossa vida é cheia de histórias e situações “estranhas”, dignas de “País das Maravilhas”. Ou não.

Será que o filme, ou o livro (original), era para crianças mesmo? A resposta fica na interpretação da designer, que através da arte, mostrou o que se passava em sua cabeça.

Divirtam-se! O coelho branco acabou de passar..."


VEJA MAIS 

Fotos Carolina Bonesso Fotografia

















 
Parte 2

Relógicos loucos e alicedélicas unidas...



https://www.ingressorapido.com.br/compra/?id=52755#!/tickets

Desenhos cenográficos


de Karina Matulevicius....

a partir de colagens de Adriana Peliano...

sobre ilustrações originais de John Tenniel (1865)...





8 August 2016

Encontre o coelho branco...




Sonho mágico no comercial da Sharp produzido pela Start Anima.

4 July 2016

The delights of encountering the original manuscript for “Alice in Wonderland”




"In the middle of a bright yellow room at The Morgan Library and Museum in New York sits the 150-year-old original manuscript of Alice’s Adventures in Wonderland, written and self-published by the enigmatic Oxford University mathematics teacher Charles Lutwidge Dodgson—better known by his pen name, Lewis Carroll.


 (Photography by Graham S. Haber)


One of the most popular works in English literature, Alice in Wonderland (originally titled Alice’s Adventures Under Ground) started as oral tale to entertain three children—sisters Lorina, Edith, and Alice Liddell—during a boating trip down the Thames River on a hot summer day in 1862. Carroll, then a young Oxford tutor, spun the fantastic tale packed with riddles, puzzles, and logic games, partly to practice his lessons in mathematical logic, which he taught at Christ Church, Oxford, for 26 years."



continue: Quartz

18 June 2016

Alicináticos em ação

Novo membro da Sociedade Lewis Carroll do Brasil.


Quem sou eu?

"Joaquim José Coelho, conhecido artisticamente como J. J. Coelho, tenho 16 anos e sou do interior de Minas Gerais. Apaixonado desde muito pequeno pela arte e sempre tendo Alice como minha musa. Sou absurdamente viciado em mistérios e sempre atiçado pela minha curiosidade enorme (como a de Alice) a resolvê-los, faço justamente isso em meus livros. Gosto de criar histórias onde o imaginário se une com os mistérios da vida real com o intuito, mais criativo impossível, de desvendá-los.

Meu estado civil é "frustrado artisticamente" com afiliação ao "rei da procrastinação", meus enredos sempre tem um dedo Carrolliano no processo criativo e um fundo de verdade. Ou quem sabe eles seriam a verdade só que disfarçada de um livro bobo para que os meros leitores mortais fossem ludibriados? Eis a questão... Escrevo uma série de livros chamada "Em Busca do País das Maravilhas", focando no misterioso passado do Carroll, e arriscando num projeto novo nomeado de "O Segredo do Pássaro Amarelo" um releitura urbana dos contos de Monteiro Lobato.

Também tenho o hábito engraçado de colecionar objetos como chaves antigas de paradeiros desconhecidos. Talvez acreditando que um dia, de repente, uma delas irá abrir uma portinha de 40 centímetros que fica atrás de uma cortina ou uma passagem no tronco de uma árvore."

Minha página



About Me

My photo
“Always in search of curious objects, broken toys, bits of things and traces of stories, Adriana Peliano stitches together desires, monsters and fairy tales. Her collages and metamorphic assemblages are magical and multiple inventories, where logic is reinvented with new meanings and narratives, creating language games and dream labyrinths. Everything is transformed to tell new stories that dislocate our way of seeing, inviting the marvellous to visit our world.” “Sempre em busca de objetos curiosos, restos de brinquedos, cacos de mundos e rastros de estórias, Adriana Peliano costura desejos, monstros e contos de fadas. Suas colagens, metamofoses e assemblagens despertam inventários mágicos e múltiplos, onde a lógica do cotidiano é reinventada em novos sentidos e narrativas, criando jogos de linguagem e labirintos de sonhos. Tudo se transforma para contar novas estórias, abrindo portas para o maravilhoso.”